Bezerro tomando sol no Chaco.

Um tempo no Chaco

Bezerro tomando sol no Chaco.

Começamos a nossa jornada cedo, era seis da manhã e já estávamos com o carro cheio. Comida, família, cachorras, chapéu e uma boa botina embarcavam nessa jornada junto com muita vontade de conhecer, explorar e crescer.

Para trás ficava um sonho, aquele de 10 anos atrás, um futuro profissional, segurança financeira e a vida na cidade grande. O sonho agora era outro, e estava para se tornar uma realidade.

Depois de 500km, uma balsa e 5 litros de tereré, chegamos a nossa nova residência. A casa é de tijolo, tijolo esse que é feito na região a partir da terra, que hora é argila e hora é uma poeira fina, a Talcoa.
Poeira na Estrada
No Paraguai é tão seco, que a poeira da estada é chamada de talco.

A água é abundante, no rio. Na casa é preciso poupar pois a água marrom tem trabalho para chegar aqui. 

Essas foram as minhas primeiras impressões do Chaco, norte do Paraguay, na fazenda em que o que mais nos surpreendeu foi o tempo, não só pelos 42 graus mas porque aqui, ele sobra.

Aqui nunca estamos atrasados, o dia começa cedo e a noite termina ainda mais cedo. Na hora do almoço comemos a galinha morta pela manhã, e depois do almoço precisamos fazer hora pra esperar o calor passar. Dormir depois do almoço é um hábito muito bem visto na região, pois esse é o horário em que o sol é mais cruel.

Ficar aqui será um desafio enorme, imagina o tanto de tempo que terei. Poderei pensar na vida, planejar a viagem, fazer o quebra-cabeça emprestado pela vó, visitar o campo, andar a cavalo, curar o umbigo dos bezerros recém nascidos fazer doce, mergulhar no rio e ainda assim, será 11 horas da manhã. Serão 25 dias no tempo de São Paulo, no tempo do Chaco? Só esperando ele passar para saber.

Comentários

comments

Powered by Facebook Comments

Author: kris